Sonia Corazza

Como foi a sua experiência como palestrante do 11° Congresso Brasileiro de Estética e Cosmetologia?

Eu acho que foi super legal, porque é uma oportunidade que a gente tem para compartilhar conhecimento novo e tecnologia inovadora com o público. Acredito na educação e acho absolutamente louvável esta iniciativa que a Bel Col oferece para a gente conversar com a esteticista que é quem vai conhecer o consumidor.

Qual a sua dica para o futuro profissional dos congressistas participantes?

Acho importante que as profissionais registrem o conhecimento delas em relação à pele do brasileiro, por ser um povo miscigenado e cada um ter várias origens lá por trás da sua carga genética. Então, todos os protocolos que funcionam devem ser registrados, porque isso forma um banco de dados maravilhoso que não existe no mundo. O Brasil tem uma maior riqueza de fototipos, e todo o trabalho da esteticista colaborara para a construção de uma uma bibliografia inovadora.